#Dança: Cão Sem Plumas, da Cia de Dança Deborah Colker, faz temporada no Teatro Alfa

Com ingressos quase esgotados em todas as sessões, o Grupo Corpo deu a largada na Temporada de Dança do Teatro Alfa, que continua com as apresentações de Cão sem Plumas, da Cia de Dança Deborah Colker, espetáculo coreografado pela artista carioca que também já tem setores esgotados para a temporada paulista. Cão sem Plumas é baseado no poema homônimo de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) e é seu primeiro espetáculo de temática explicitamente brasileira. As apresentações em São Paulo acontecem entre 25 de agosto a 2 de setembro. A Cia. Deborah Colker conta com o patrocínio da Petrobras desde 1995.

Cão Sem Plumas – Cia de Dança Deborah Colker (Foto: Cafi)

Publicado em 1950, o poema acompanha o percurso do rio Capibaribe, que corta boa parte do estado de Pernambuco. Mostra a pobreza da população ribeirinha, o descaso das elites, a vida no mangue, de “força invencível e anônima”. A imagem do “cão sem plumas” serve para o rio e para as pessoas que vivem no seu entorno. “O espetáculo é sobre coisas inconcebíveis, que não deveriam ser permitidas. É contra a ignorância humana. Destruir a natureza, as crianças, o que é cheio de vida”, diz Deborah. A dança se mistura com o cinema. Cenas de um filme realizado por Deborah e pelo pernambucano Cláudio Assis – diretor de longas-metragens como Amarelo MangaFebre do Rato e Big Jato – são projetadas no fundo do palco e dialogam com os corpos dos 13 bailarinos. As imagens foram registradas em novembro de 2016, quando coreógrafa, cineasta e toda a companhia viajaram durante 24 dias do limite entre sertão e agreste até Recife.

Os bailarinos se cobrem de lama, alusão às paisagens que o poema descreve, e seus passos evocam os caranguejos. O animal que vive no mangue está nas ideias do geógrafo Josué de Castro (1908-1973), autor de Geografia da fome e Homens e caranguejos, e do cantor e compositor Chico Science (1966-1997), principal nome do mangue beat. O movimento mesclava regional e universal, tradição e tecnologia. Para construir um bicho-homem, conceito que é base de toda a coreografia, a artista não se baseou apenas em manifestações que são fortes em Pernambuco, como maracatu e coco. Também se valeu de samba, jongo, kuduro e outras danças populares.

Serviço:
Cia. de Dança Deborah Colker – Cão sem Plumas
De 25 de agosto a 2 de setembro.
Terças, quartas e quintas-feiras, 21h.
Sextas-feiras, 21h30.
Sábados, 15h (apenas no dia 2 de setembro) e 20h. Domingos, 18h.
Ingressos – Setor I: R$ 160,00 – Setor II: R$ 160,00 – Setor III: R$ 90,00 – Setor IV: R$ 50,00.
Cartão Petrobras e Força de Trabalho: 50% na compra de até 2 ingressos por apresentação. Desconto não cumulativo.
Teatro Alfa – Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. (11) 5693-4000.
Site: www.teatroalfa.com.br.
Ingresso rápido ou pelos telefones:
11 5693-4000 | 0300 789-3377.
Duração – 2 horas.
Classificação – 14 anos.
Acessibilidade – motora e visual.
Estacionamento: Sala A. Vallet R$ 45,00 Self Park R$ 31,00. Sala B. Vallet R$ 30,00 Self Park R$ 20,00.
Mais informações pelo site www.teatroalfa.com.br/temporada2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *